31.8.09

Narcisismo do Jornal Nacional

Ontem, o Jornal Nacional teve uma abertura inusitada. Em comemoração aos 40 anos os jornalistas William Bonner e Fátima Bernardes mostraram as modificações feitas no visual da redação.

Nesta semana, o JN também teve um grande destaque nas páginas da revista Época. A matéria, de oito páginas, registra um dia de trabalho no noticiário da Globo.

A comemoração do aniversário não termina por aí. A editora Globo lançou o livro “Jornal Nacional: Modo de Fazer”, escrito pelo âncora William Bonner. O livro tenta aproximar, ainda mais, o jornal da população. Segundo a sinopse, William Bonner mostra como o telejornal é construído dia a dia e explica quais são os critérios para selecionar os assuntos.

Outro fato inusitado, na edição de ontem do JN, foi à entrevista, com duração de seis minutos feita na bancada do jornal, com o repórter Ernesto Paglia. Segundo Fátima, ele será o primeiro de cinco jornalistas que serão entrevistados. Uma das primeiras coisas que aprendi na faculdade de jornalismo foi que o jornalista não é a notícia.

A postura da emissora é para levantar a bola do jornal e do jornalismo da Globo. Tanto pela concorrência, que também está investindo muito no jornalismo, quanto à internet, que está levando muitas pessoas a assistirem o jornal pelo monitor do computador.



Um comentário:

Aninha Santos disse...

Do tipo, comi mosca porque não li seu blog nos últimos dias...tanta coisa boa para ler. Legal!

E só para completar esse post sobre o JN, tem que dizer que a vaidade da Fátima Bernardes não ia deixar que as mudanças ficassem no âmbito do jornal, ela tinha que mudar o cabelo para deixar marcado que o JN e ela são um só... Putz!