24.4.09

Cadê a investigação dos grandes jornais?



Nós últimos meses a sociedade brasileira presenciou uma avalanche de denúncias dos abusos feitos por políticos com o dinheiro público. Gastos com telefones celulares dos deputados e passagens aéreas à vontade para parentes e amigos. Parei para analisar as denúncias e percebi uma coisa em comum em todas elas. Nenhuma foi denunciada pelos grandes veículos de imprensa. Folha de São Paulo, O Globo, Correio Braziliense ou até mesmo pela TV Globo, que apesar de não ser uma dalit ela é “intocável”. Eles somente repercutiram as denúncias publicadas pelos sites Congresso em Foco, Contas Abertas e Transparência Brasil.


A impressão é que os veículos não se preocupam em fazer o “jornalismo investigativo”. (Estar com aspas porque, na minha opinião, todo jornalismo deveria ser investigativo). Então, o que falta para os veículos começarem a fazer um jornalismo mais pensado, com pesquisas profundas nas contas públicas? Não sei. Nunca trabalhei nestes veículos “grandes” e não conheço o dia a dia destas redações, pelo menos fora dos livros.


Pelo o que leio em sites e blogs, especializados em jornalismo, é que para fazer jornalismo investigativo custa muito dinheiro e tempo. Porque tem que disponibilizar uns jornalistas somente para realizar as pesquisas. Principalmente nesse momento de crise nos jornais. Compensa mais financeiramente contratar um jornalista para fazer matérias diárias, pautadas pelas agendas governamentais, sem muita análise e questionamento.


Acredito que estes sites possuem uma estrutura física e financeira muito menor do que os veículos citados no começo do post. Como os especialistas rebatem estes fatos. O fato é que os sites fazem o papel, que de origem era para ser dos jornais, de fiscalizar a sociedade. A pesar de que esses sites são feitos por jornalistas. Acho isso muito bom por sinal. Para mostrar como se faz jornalismo de verdade, não jornalismo declaratório.


Para exemplificar a importância e a repercussão da iniciativa, o site contas abertas disponibiliza todas as matérias que são publicadas na mídia em que o nome da página é citado. Já o Transparência Brasil disponibiliza um banco de dados com as denúncias de corrupção publicada pela imprensa. O Congresso em Foco recebeu vários prêmios como iBest, Vladimir Herzog e Engenho.


Para conhecimento, segue as auto-apresentações dos sites:

Congresso em Foco: Um site jornalístico que faz uma cobertura analítica, independente e crítica do Congresso Nacional e dos principais fatos políticos da capital federal. Seu objetivo central é auxiliar o (e)leitor a acompanhar o desempenho dos representantes eleitos, contribuindo assim para melhorar a qualidade da representação política no país.

Contas Abertas: Uma entidade da sociedade civil, sem fins lucrativos, que reúne pessoas físicas e jurídicas, lideranças sociais, empresários, estudantes, jornalistas, bem como quaisquer interessados em conhecer e contribuir para o aprimoramento do dispêndio público, notadamente quanto à qualidade, à prioridade e à legalidade.

Transparência Brasil: Históricos da vida pública de todos os parlamentares federais e estaduais. Noticiário sobre corrupção que os envolve, processos a que respondem na Justiça, multas recebidas por Tribunais de Contas, declarações de bens, padrões de financiamento eleitoral, freqüência ao trabalho e muito mais. Vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo 2006. Às Claras. Banco de dados com informações e análises sobre o financiamento eleitoral. Deu no Jornal. Banco de dados com noticiário sobre corrupção e controle publicado em 63 jornais e revistas de todo o país, atualizado diariamente. Assistente Interativo de Licitações. Aplicativo que permite comparar um edital de licitação com aquilo que é exigido nas leis, de forma a identificar desvios. Realizado em parceria com o Tribunal de Contas de Santa Catarina. Desempenho em Licitações nos Municípios de Santa Catarina. Análise das aquisições realizadas por todos os 293 municípios de Santa Catarina desde 1997. Realizado em parceria com o Tribunal de Contas do estado.

Nenhum comentário: