18.11.08

Anjos do Sol retrata problema histórico do Brasil


No domingo eu assisti o filme brasileiro Anjos do Sol. Ele é impactante, pois o tema é polêmico e mexe com qualquer pessoa que tem coração. O filme começa num vilarejo cravado no nordeste brasileiro, em que um pai recebe dinheiro em troca da sua própria filha. Começa, então, a ser traçado o destino de Maria, que, aos 12 anos, passa a fazer parte de um esquema de corrupção de menores. Presa num caminhão, viaja dias e noites. Durante a jornada, conhece Inês (Bianca Comparato), que tem a mesma idade e está na mesma situação. Logo, ela e outras garotas estão num bordel decadente do interior comandado por Dona Nazaré (Vera Holtz), que promove um leilão de meninas virgens.

A saga das garotas continua quando são enviadas para a cidade de Socorro, onde são forçadas a trabalhar na Casa Vermelha, vigiada por Saraiva (Antonio Calloni) e seus capangas. A rebelde Inês convence Maria a fugir, mas elas acabam capturadas e sofrem uma dura pena, sendo violentadas por dezenas de homens e conhecendo de perto a mais suja crueldade humana. Com o passar do tempo, a menina que foi brutalmente tirada da família se torna cada vez mais um ser humano feito de pedra.

O belo filme é a estréia do diretor Rudi Lagemann no cinema. Lançado em 2006, o elenco do Anjos do Sol conta com o Otávio Augusto, Darlene Glória e Chico Diaz. O roteiro do filme foi livremente inspirado em relatos jornalísticos e depoimentos de meninas coletados em instituições e organizações não-governamentais. Com o pequeno orçamento de R$ 1,5 milhão, as filmagens foram feitas na Bahia e no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário: