8.8.08

Para jornalistas iniciantes

Dando uma olhada nos arquivos do blog Novo em Folha, da jornalista da Folha de São Paulo Ana Estrela, encontrei algumas dicas para jornalistas iniciantes. Fiz algumas compilações e selecionei para publicar aqui no blog. São ótimas dicas tanto para iniciante da profissão ou para profissionais que atuam no mercado de trabalho.


"Instrumentos Básicos do Jornalista

Gravador

1) Grave sempre que possível suas entrevistas, mesmo as feitas por telefone.
2) Há casos em que o entrevistado não quer ser gravado. Se estiver num deles, seja mais cuidadoso ainda nas anotações.
3) Ao começar uma entrevista, grave sua conversa inicial, em que você explica que reportagem está fazendo e deixa claro que as declarações serão publicadas. Isso evita que a fonte depois diga que não sabia que estava dando uma entrevista.
4) Antes de sair do jornal, cheque se o gravador tem pilhas novas, e leve sempre mais fitas que o necessário.
5) Desembrulhe as fitas antes de começar as entrevistas (se deixar para desembrulhar no meio, pode cortar o ritmo da entrevista e ainda passar por desastrado). Escreva em cada fita o nome da pauta, do entrevistado e a data.
6) Se usar mais de uma fita, numere-as assim que tirá-las do gravador.
7) Não confie apenas nas fitas. Anote os pontos principais da entrevista. Escrever com base só no que está gravado toma quatro vezes mais tempo. Use as fitas só para tirar dúvidas e checar declarações.
8) Se vai usar declarações entre aspas, seja fiel ao que foi dito.
9) Guarde as fitas por pelo menos seis meses.

Agenda telefônica
1) Não precisa ser em papel, mas, se for eletrônica, faça backups permanentes.
2) Coloque seu nome e telefone na agenda, para aumentar as chances de ela ser devolvida se você a perder.
3) Passe os telefones e contatos para a agenda ao final de cada dia. Não deixe nos bloquinhos. É impossível achar um telefone no meio de um de vários blocos na hora do fechamento.
4) Anote os telefones não só no nome da fonte, mas também por assunto. Suponha que você entrevistou o juiz José Silva. Anote em José e em juiz. Depois de alguns meses, mesmo que esqueça o nome dele, será possível localizá-lo.
5) Quando for o caso, anote informações úteis sobre a fonte --por exemplo, "muito didático", "apontou erro no jornal", "lacônico".


Agenda/calendário
1) O primeiro uso óbvio é anotar compromissos e estar lá na hora certa.
2) Anote futuras possibilidades de pauta. Por exemplo, você entrevista um médico sobre alergias de inverno, e ele conta que o hospital em que trabalha está fazendo uma pesquisa inédita sobre câncer de pele que ficará pronta em seis meses. Anote na agenda para ligar para o hospital dali a cinco meses.
3) Agende-se para ligar para suas fontes periodicamente --a cada três semanas, por exemplo. Ligar para as fontes sem necessidade de levantar informação costuma render boas conversas, intimidade, confiança e futuras pautas. Mas para isso é preciso estar agendado, senão a correria do dia-a-dia joga contra


Relógio
1) Não há jornalismo sem prazos a cumprir. Esteja atento a eles.
2) Acorde cedo e seja pontual.


Manual
1) Consulte sempre que tiver dúvidas. Não chute, cheque.
2) O Manual da Folha tem não só orientações de texto mas informações de referência: regras de gramática, explicações matemáticas, glossários jurídico, médico e religioso, dados geográficos.

Arquivo
1) Guarde de maneira organizada reportagens sobre o tema que você cobre ou pelo qual se interessa.
2) Aprenda a usar bancos de dados eletrônicos, como o Access, e arquive todas as informações relevantes sobre o assunto que você cobre.
3) Quanto antes você começar, melhor. Como diz o colunista da Folha Elio Gaspari, um dos principais defensores dos bancos de dados, depois de 1.000 registros o arquivo começa a trabalhar em seu favor.


Projeto editorial
1) Conheça o projeto editorial do veículo para o qual você trabalha. É fundamental saber que princípios regem seu trabalho, para quem e com que objetivo você faz jornalismo.
2) O Manual da Folha tem um capítulo que aplica o projeto editorial ao dia-a-dia de uma Redação, ou seja, dá orientações práticas de como fazer jornalismo segundo os preceitos do projeto.


Dicas de Bloco de anotações
1) Prefira usar um bloco. Folhas soltas se perdem, saem da ordem, fazem você perder um tempão na hora de decifrar o que anotou. Folhas soltas, só em emergências (minha amiga Claudia Collucci é uma das únicas pessoas que eu conheço capazes de anotar entrevistas em guardanapos de papel, no meio do almoço, de forma organizada e compreensível. Mas ela desenvolveu uma técnica especial pra isso).
2. se usar folhas soltas, numere-as. Assim que puder, grampeie todas na ordem.
3. coloque seu nome e telefone no bloco ou nas folhas. Vai que você as perde ou esquece, como fez a aluna de hoje... pelo menos ainda há uma chance de elas serem devolvidas.4. anote na capa do bloco as pautas que ele contém e as datas em que foram feitas.
5. guarde os blocos por pelo menos seis meses, para o caso de alguma informação ser contestada. Esse é um dos momentos em que ter as pautas anotadas na capa ajuda muito.
6. reveja as anotações o mais rápido que puder e certifique-se de que você consegue entender tudo o que anotou. Em caso contrário, ligue para a fonte e repasse as dúvidas.
7. passe os contatos e telefones anotados no bloquinho para sua agenda telefônica ao final de cada dia. Sem essa disciplina, você acaba perdendo os contatos. Quando precisar falar de novo com aquela fonte, vai ser quase impossível localizar o telefone em meio aos bloquinhos."

2 comentários:

Anônimo disse...

vc sao bem interessantes adorei a pg

Leon Almeida disse...

gostei muito dessas dicas!
quero ser jornalista,mas é fato que o curso é caro.enquanto não tenho a grana,vou me virando com essas dicas.
parabéns pelo blog!